segunda-feira, 5 de março de 2012

O Lauro António que há em mim #5

Cinco dias de férias, dez filmes. Apesar da "crónica" estar um pouco atrasada não podia deixar de a pôr em dia, por isso cá vai:



Relatório Kinsey - Um excelente filme de 2004 que até agora nenhum de nós tinha visto. O filme fala sobre a vida de Alfred Kinsey um pioneiro no estudo comportamental da sexualidade humana. Excelente interpretação do Liam Neeson.




Hugo - Assim assim. Parti com expectativas altíssimas e acabei por ficar desapontada a ponto de adormecer durante o filme. Ainda assim gostei da imagem, da cor e de ver o palerma do Sacha Baron Cohen, a.k.a. AliG, a tentar fazer um papel sério. Ah, e continuam-me a faltar 40 minutos de filme...





The Adventures Of Tintin - Muito Bom. Com este aconteceu exactamente o contrário do Hugo, pensei que não ia gostar nada, até porque nunca achei muita graça aos desenhos animados, mas não é que me enganei? Gostei muito, da história, da acção, mas em especial do Captain Haddock. Aguardo ansiosa pela sequela.




The Muppets - Muito Bom. Pelo menos para mim, que sempre fui fã dos Marretas em especial da porquinha mais charmosa do mundo, a Miss Piggy.
Ver o filme foi uma espécie de regresso ao passado, onde tudo era simples e com muita piada. Para rever, especialmente naqueles dias em que me esqueço que já fui uma criança.




The Artist - Excelente. Sem dúvida um dos melhores filmes dos últimos tempos. Estava cheiinha de medo de me aborrecer, por não ter som, mas afinal, quem precisa de som?  Excelentes interpretações de actores para mim totalmente desconhecidos mas que quero sem dúvida voltar a ver. Fiquei felicíssima pelos Óscares que recebeu.






Begginers - Bom. Este filme andava há que tempos para ser visto e não estava fácil. Cheguei a ganhar os bilhetes para a estreia, oferecidos pela revista Time Out mas como não me lembrei de ver o mail lá foram os bilhetes "grates" para o galheiro. Embora deprimente é um bom filme. Acho que a mensagem principal é que nunca é tarde de mais para se ser feliz.






Bridesmaids - Mediano a puxar para o mau. A história é uma seca e deixa muito a desejar. A destacar dois actores: Melissa McCarthy (que estava nomeada para os Óscares como melhor actriz secundária) e Chris O'Dowd (que faz o papel de pseudo namorado da maluca da actriz principal).





Extremely Loud & Incredibly Close -Bom mas a puxar para o depressivo. Mais um filme com a temática do 11 de Setembro mas com uma abordagem completamente diferente, trata da incompreensão da morte vista pelos olhos de uma criança que perdeu o pai. O miúdo, Thomas Horn, faz um papelão.









We Need To Talk About Kevin - Incrivelmente bom mas extremamente estranho. A actriz Tilda Swinton para mim é um mistério, não sei se gosto dela ou não, mas os filmes desta senhora têm a capacidade de me prender ao ecrã. Este é outro que tal, como ela, estranho. No entanto, para grande surpresa minha, há alguém mais estranho, diabólico e sinistro que ela, e que me obrigou a ver o filme até ao final. De arrepiar.



J.Edgar - Muito Bom. Como aliás, na minha opinião, todos os filmes realizados por Clint Eastwood. Confesso que enquanto pude fugi com o rabo à seringa porque: não morro de amores pelo Leo e porque fiquei traumatizada com a seca épica que foi o Aviador - ODIEI. 
Nada a ver.  J. Edgar é um bom filme, uma boa biografia. Palminhas para Clint e Leozinho.

5 comentários:

  1. Ainda só vi o Bridesmaids, e estava a espera de muito melhor também!

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelas sugestões, vou explorar uns quantos que não conhecia mesmo. Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Opiniões à parte... eu adorei ver "A Invenção de Hugo" =)

    http://viverentrelacos.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. "os marretas" perderam o encanto com a tradução em português, nomeadamente das músicas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas foste ver a versão dobrada em português?

      Eliminar

Dizei de vossa justiça minha gente :)